Peosia

Eis que oras tão quão tu falas?
Porventura não fostes tu que o falastes?
Embora ser me, assim não sou!
Tão vorazes sois em tuas pronúncias
Ó bela de lábios ardentes em palavras
Que assim aflinge ser, ser aflita
Entre os olhos quais estes não veem
Na mais profunda alma reluzente
Dos olhares tímidos