Peosia

Eis que oras tão quão tu falas?
Porventura não fostes tu que o falastes?
Embora ser me, assim não sou!
Tão vorazes sois em tuas pronúncias
Ó bela de lábios ardentes em palavras
Que assim aflinge ser, ser aflita
Entre os olhos quais estes não veem
Na mais profunda alma reluzente
Dos olhares tímidos

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s